Revista Like Magazine

Este site foi desenvolvido com uma tecnologia que este navegador não suporta.
O navegador que você está utilizando está desatualizado. Ele possui falhas de segurança e uma lista limitada de funcionalidades. Você perderá qualidade na navegação em alguns sites.


Escolha um novo Navegador e navegue com mais segurança

Estas são as últimas versões dos navegadores gratuitos mais utilizados.



Manchas na pele?

06/04/2016 / Por: Bruna Kirsch

Você já reparou na pelezinha perfeita de um bebê? É lisinha, sem manchas, sem marcas... Mas, alguns anos depois, elas não hesitam em aparecer. Segundo a dermatologista de São Leopoldo Ionara Oliveira, o melasma é uma das manchas mais frequentes após a exposição solar e é caracterizada por manchas amarronzadas desencadeadas pelo sol, pela gravidez, uso de anticoncepcionais e alguns medicamentos. “É importante sabermos que os efeitos do sol são cumulativos na pele. Nos primeiros 20 anos de vida é quando ocorrem os maiores danos solares que o indivíduo desenvolverá na vida adulta”, ressalta Ionara. Outro tipo de mancha que pode ocorrer, segundo a dermatologista, são as melanoses, que normalmente são acastanhadas e de tamanho menor. Mas, as manchas mais comuns para desencadear câncer de pele costumam aparecer por volta dos 40 anos, podendo aparecer antes em peles muito claras. “Essas são as ceratoses actínicas, manchas ásperas, avermelhadas ou amarronzadas e às vezes causam ardência e têm potencial de desenvolver câncer se não forem tratadas”, conta. Segundo a dermatologista, as manchas também têm relação com o fator genético, tipo de pele (como peles claras do fototipo I e II) e tipo de atividade ocupacional. “Os lugares mais frequentes são a face, decote, antebraços e mãos. No entanto, podem aparecer em qualquer parte do corpo”, diz.

Tratando o problema

Segundo a dermatologista, existem vários tratamentos e alguns resultam na remoção total das manchas. O melasma tem vários tipos de tratamentos (que dependerão da patologia), e recomenda cremes clareadores com ácidos levando em conta o fototipo e a sensibilidade cutânea. “Há também o tratamento com medicação por via oral. E, para se obter melhores resultados indica-se o peeling de cristal com clareadores, microagulhamento com ativos e peelings químicos”, recomenda. Já para o tratamento de outras manchas como melanoses, sardas, hipercromias residuais e lesões vasculares, indica a luz intensa pulsada. “O tratamento para qualquer tipo de mancha deve ser iniciado preferencialmente após o verão, pois o sol é o inimigo do clareamento”, afirma.

Leia a reportagem completa na edição impressa da Like Magazine nº 37.


Foto: Divulgação

Compartilhe: