Revista Like Magazine

Este site foi desenvolvido com uma tecnologia que este navegador não suporta.
O navegador que você está utilizando está desatualizado. Ele possui falhas de segurança e uma lista limitada de funcionalidades. Você perderá qualidade na navegação em alguns sites.


Escolha um novo Navegador e navegue com mais segurança

Estas são as últimas versões dos navegadores gratuitos mais utilizados.



Nesta Edição

Editorial

Esta carta não poderia começar com outro assunto – o dia dos nossos heróis, melhor amigo, aquele que consegue passar segurança quando estamos tristes, que com um simples sorriso faz toda a angústia do mundo passar... Para eles, nossos pais, é que reverenciamos e dedicamos esta edição da Like. Pode até ser uma data comercial, mas ela traz na carona uma vontade de parar tudo e dedicar um tempo para pensarmos neles, reforçando todo aquele sentimento que está lá, e que no segundo domingo de agosto é renovado com um simples beijo, abraço, telefonema, mensagem, lembrança.

Para provar isto que estou falando é que publicamos um editorial de moda com dois pais – o Eduardo e o Guilherme – e seus pequenos Eduardo, Rafael e Alícia. Um trabalho que te leva pela mão ao mais puro dos sentimentos. Um trabalho leve e divertido que queremos mostrar aqui para vocês (vá direto para a página 36. Na sequência, outro pai, pai de três filhos, que se desmonta do alto de seu 1,93 metro só de falar em seus amores. Thiago Lacerda, o galã de sorriso largo, fala sobre o difícil e delicado papel de pai. “A minha preocupação é termos um País mais justo, mais ético para os meus filhos viverem.” Outro pai, este perseguido desde a edição número 1 da Like, o chef Alex Atala, traz para nossas páginas toda a sua paixão pela cozinha e faz vários desabafos em uma entrevista com cara de monólogo.

Ele mudou a forma como o brasileiro encara a comida e divulgou nossa cozinha para o mundo. “Eu tenho filhos... O mais velho tem 23 anos e adorava fast food. Eu ia com ele, pois achava que se aquilo fosse proibido, teria mais fascínio. Nós comíamos um sanduíche, uma batata e ele ganhava um presentinho. Pensei: se uma empresa pode corromper meu filho, eu posso também. O que eu fazia? Levava ele para comer em um lugar mais legal e dava um presente melhor. E assim subvertemos esta relação.” A Like deste mês também tem espaço certo para trazer o melhor da Casa Cor RS, uma moda de cinema e um espacial com os principais parques da Serra. Tá imperdível!

 

Taila R. Schmidt
Editora

CAPA DESTA EDIÇÃO
  • I like

  • You like

  • We like