Revista Like Magazine

Este site foi desenvolvido com uma tecnologia que este navegador não suporta.
O navegador que você está utilizando está desatualizado. Ele possui falhas de segurança e uma lista limitada de funcionalidades. Você perderá qualidade na navegação em alguns sites.


Escolha um novo Navegador e navegue com mais segurança

Estas são as últimas versões dos navegadores gratuitos mais utilizados.



Cansei de ser chef! Sera?

10/08/2017 20:02 / Por Gastronomia

Há alguns anos venho observando e participando de um movimento levemente esquizofrênico na gastronomia mundial. Muitos chefs estão promovendo o “abandono” da dólmã branca pelo boné ou o avental de couro.

Venho observando uma sede de muitos colegas, inclusive do barbudo aqui, pela democratização da gastronomia e retorno às origens. Não estou citando como origem somente a cozinha da sua avó, e sim a comida trivial que mal ou bem foi a porta de entrada e o primeiro contato de todos nós com o mundo das panelas. Chefs como Francis Mallmann, que modificou totalmente sua carreira, muito bem-sucedida na cozinha francesa, para se tornar uma lenda mundial quando se trata da relação gastronomia e fogo; ou Jefferson Rueda, que montou um verdadeiro “templo” da carne suína, promovendo sua herança caipira em um restaurante disputadíssimo como é A Casa do Porco em São Paulo.

Nunca antes os chefs estiveram tão em destaque como agora. Com a popularização dos eventos de “gastronomia de rua”, saímos dos ambientes insalubres e escondidos das cozinhas para o front e, com isso, veio o contato direto com o cliente. Outra consequência desse “fenômeno” foi a possibilidade de muitos de nós sermos “donos do nosso nariz” e, com isso, não precisarmos mais de um investimento pesado para termos o nosso restaurante. Hoje, a cada feira gastronômica ou festival de food truck, vemos mais chefs cozinharem o que desperta neles o amor pela gastronomia, ou não... Quando eu falo do “movimento esquizofrênico” que está acontecendo cito, exatamente, esse último ponto.

Ao mesmo tempo em que vejo esse movimento de “volta às raízes”, sinto que estamos perdendo a chance de realmente popularizar a gastronomia. Quando eu observo um sagu sendo vendido com uma espuma de fava de baunilha por R$ 20 a porção (sendo que o original é muito mais saboroso), isso afasta a população, pois desperta sentimentos em muitas pessoas, como o vinho durante muito tempo despertou, de não ser capaz e de ter vergonha de não alcançar aquele paladar e ser taxado de ignorante... Quando, na verdade, todos nós sabemos que houve ali uma “gourmetização” sem necessidade.

Com certeza as evoluções das técnicas gastronômicas vieram para somar e, cada vez mais, qualificar a relação do cozinheiro com o alimento. Porém, sempre é bom se perguntar se aquela infusão, gel ou esferificação realmente acrescentará valor ou somente servirá para cobrar mais caro...

Compartilhe:

Passa, passa, passara

10/08/2017 19:59 / Por FundaMental

“É bom a gente lembrar que tudo passa. As coisas boas passam e, por sorte, as coisas ruins também passam”, falei instintivamente e talvez para quebrar o gelo quando peguei o elevador junto a uma jovem lacrimejante, acompanhada de sua mãe.

Na semana seguinte, a mãe me encontrou ao acaso e agradeceu. Surpresa, perguntei o porquê da gratidão. Ao que me respondeu que a frase que proferira, na ocasião, fizera toda a diferença e acalmara sua filha.

A menina deve ter se conectado com a irrefutável realidade de que tudo é impermanente. Uma verdade difícil de engolir, principalmente quando as coisas vão bem. Alegria e êxito são sempre bem-vindos. Tristeza e dor, porém... que dificuldade de aceitar as perdas, o final da vida, de nossas coisas, tudo tão transitório!

Quando tudo vai bem, nos apegamos e queremos que dure pra sempre. Nem lembramos que “sempre” não existe. Quando as coisas vão mal, queremos que logo passem. Nem pensamos que “logo” é também muito relativo. Tudo o que existe é, em essência, fugaz.

Lembro desta transitoriedade toda vez que passo na frente do Colégio Pio XII e vejo um pesado pilar de concreto que ajuda a sustentar a estrutura do Trensurb, no lugar da imensa e exuberante figueira que ali deve ter vivido desde o início da história de Novo Hamburgo. A finada deve ter dado sombra aos transeuntes na época dos caixeiros viajantes que, imagino, descansavam junto ao riacho que agora é nosso “valão”. Passou. Como tudo na vida. Você e eu também passaremos. Todos passarão. Esta crônica passará. Então, qual será o nosso legado? Imagino que o que nos cabe é valorizar o agora. Presença no presente. Ontem é aprendizado. Amanhã dependerá do que sentimos, pensamos, fazemos e somos agora. Eternamente.

Compartilhe:

Signo do mes - Leao

10/08/2017 19:55 / Por Astrologia

Signo do mês - Leão
22/07 a 21/08

Leão é signo solar, de força e exuberância que irradia generosamente sua personalidade marcante. Age exatamente como faz o sol: aquece, mas também pode queimar. Adora defender ideias e pessoas. É um rei em sua própria vida – enérgico, motivador, amoroso e um tanto espaçoso. Busca estar no centro das situações tanto para solucioná-las quanto para ser visto.

 

VIRGEM - 22/08 a 22/09
O regente do signo, Mercúrio, passa o mês atuando fortemente e ocasiona alguns impasses de crítica e autoexigências. Se esforçar demais não alivia e nem resolve os anseios, é preciso investir na aceitação de que tudo tem o tempo certo de ser e acontecer.

 

LIBRA - 23/09 a 22/10
Saindo de uma etapa onde tudo parecia mais demorado, os librianos podem aproveitar os bons ventos astrológicos para reorientarem os rumos. Dispense as distrações, supere as contrariedades e corrija as falhas. Um mundo de novas chances surge no horizonte.

 

ESCORPIÃO – 23/10 a 22/11
Enquanto o céu astrológico favorece o signo de Leão, é importante que escorpianos evitem discordâncias e competições. Nada de olhar para os lados e se comparar, apenas valorize o próprio desempenho, faça seu melhor – com muita paz na mente e no coração.

 

SAGITÁRIO - 23/11 a 22/12
Essa etapa introspectiva dos sagitarianos tem trazido uma perspectiva diferente, e mais madura, para assuntos antigos. Ainda assim, é importante manter-se focado nas motivações que o trouxeram até aqui. Quem sabe de onde vem, segue a jornada com mais retidão.

 

CAPRICÓRNIO - 23/12 a 19/01
Fazer o que se pode e dar somente o que se tem são ótimas maneiras de colaborar com o bem-estar alheio e respeitar sua própria energia. Não espere o momento perfeito para ser solidário, só seja! Nem sempre é preciso concordar com o outro para deixá-lo feliz.

 

AQUÁRIO - 20/01 a 19/02
Imprevisibilidade é uma coisa que aquarianos costumam lidar bem, mas por agora pode trazer a sensação de adiamento e gerar certa frustração – calma, isso será consertado. O tempo é um aliado maravilhoso e logo o cenário se estabiliza. Pratique o otimismo.

 

PEIXES - 20/02 a 20/03
A presença tensa de Mercúrio no seu signo oposto, Virgem, torna a comunicação algo mais desafiador nessa fase. Além de exercitar a clareza na fala, uma boa dica é investir um tempo para revisar o que foi dito e feito. Assim todo mundo se entende melhor!

 

ÁRIES - 21/03 a 20/04
O momento é de vitalidade e otimismo para os arianos, então se alinhe com o céu e exija um pouco mais de si – as possibilidades estão a seu favor! Apenas se mantenha atento para não exigir que os outros ao seu redor demonstrem o mesmo ritmo e animação.

 

TOURO - 21/04 a 20/05
A frequência com que você pausa a sua jornada, apenas para se certificar se está indo na direção certa, pode arrastar os bons resultados lá para diante. Medite ao iniciar cada dia – uma boa quantidade da consciência do agora sempre lhe deixará mais seguro.

 

GÊMEOS - 21/05 a 20/06
Mercúrio está um pouco desequilibrado lá no céu astrológico e, por isso mesmo, geminianos podem se atrapalhar um pouco em seus entendimentos. Efeito disso? Julgamentos precipitados, agitação mental, pressa e cobranças mais frequentes. Tente ter leveza.

 

CÂNCER - 21/06 a 21/07
Uma espécie de ressaca emocional pode fazer os cancerianos se sentirem especialmente sensíveis nas próximas semanas. Para não se afogar em si mesmo é recomendável uma dose extra de realismo, ou seja, mantenha os pés no chão e evite a imaginação desenfreada.

Compartilhe:

Signo do mês

14/07/2017 11:37 / Por Astrologia

CÂNCER

21/06 a 21/07

Regidos pela Lua, os cancerianos são bastante afetivos. Mesmo assim, costumam ter abordagens cautelosas e sabem recuar quando sentem que é necessário, pois não gostam de correr nenhum tipo de risco. São preocupados com as consequências e testam – emocionalmente – quase tudo! Quando finalmente se entregam, acolhem, e seu abraço dá para chamar de lar. As escolhas feitas nos últimos meses agora florescem como presentes de aniversário. Dar um retorno para as pessoas sobre o quanto elas têm sido fundamentais para você, pode ser especialmente importante nessa fase do ano. Fale e ouça sobre o que sente.

Cancerianos famosos

LUIZA POSSI 26 de junho

MARISA MONTE – 01 de julho

TOM HANKS – 09 de julho

SOFIA VERGARA – 10 de julho

LÍLIA CABRAL – 13 de julho

 

LEÃO – 22/07 a 21/08

Leoninos permanecem com forte impulso nas decisões. Atenção para que este encerramento de ciclo, momento anterior ao seu aniversário, reflita exatamente aquilo que você deseja. Porém, lembre sempre que levar a vida à sério não significa perder a alegria!

 

VIRGEM – 22/08 a 22/09

Durante essa fase, evite que seu nível de criticismo afaste aqueles que podem colaborar para que bons resultados aconteçam. É no âmbito dos relacionamentos que os virginianos podem desenvolver a fluidez. As melhores soluções costumam ser as mais simples.

 

LIBRA – 23/09 a 22/10

Traçar estratégias bem organizadas pode ser muito útil no momento em que tantas oportunidades surgem para os librianos. Nesse processo é preciso ver a importância verdadeira de cada coisinha ou pessoa que compõe sua vida. É assim que o sucesso se instala.

 

ESCORPIÃO – 23/10 a 22/11

A busca por significado em tudo que você vive é uma forte característica escorpiana, mas que pode acrescentar um peso, às vezes desnecessário, aos seus relacionamentos. Descomplicação e leveza são aliados poderosos para todos que almejam uma vida profunda.

 

SAGITÁRIO – 23/11 a 22/12

Sagitarianos estão sob um céu astrológico parecido com uma colcha de retalhos e vivenciando a diversidade da vida. A melhor maneira de lidar com o atual padrão de acontecimentos é silenciar mais, exercitar a humildade e se colocar na postura de aprendiz.

 

CAPRICÓRNIO – 23/12 a 19/01

Momento em que seu alicerce precisa ser nutrido e valorizado. Busque a família, a de sangue e a de coração, faça programinhas domésticos, usufrua do lar, do aconchego, invista no conforto. Para subir uma montanha é necessário que a base dela esteja firme.

 

AQUÁRIO – 20/01 a 19/02

Atividades físicas voltadas para ampliar a consciência corporal são ótimas opções para canalizar a agitação. Reordenar energias pode trazer mais foco e, ao mesmo tempo, maior sensação de descanso mental, já que não há desperdício através da desatenção.

 

PEIXES – 20/02 a 20/03

Conciliar as questões práticas da rotina com sua demanda emocional é a tarefa desafiadora das próximas semanas. Uma boa dica é estar disponível para resolver as coisas na hora, sem deixar para depois, assim você não se sente em débito com nada nem ninguém.

 

ÁRIES – 21/03 a 20/04

Romantismo não é fragilidade e os arianos não precisam evitar os assuntos do coração, por impaciência ou receio de se colocarem vulneráveis. Amar e ser amado sempre traz mais força, então entre no clima canceriano do mês e mergulhe na sua vida emocional.

 

TOURO – 21/04 a 20/05

Demonstrar calma e aguardar não são tarefas raras para taurinos, mas o preço interior disso pode estar alto. Complemente a aparente serenidade com atividades em que possa colocar adequadamente suas emoções. Aromaterapia, boa leitura e meditação ajudam.

 

GÊMEOS – 21/05 a 20/06

Lidar com novidades é a cara deste signo superadaptável! Neste atual céu astrológico o planeta Vênus acompanha de pertinho os geminianos, melhorando desempenhos e as chances de ganhos extras. Bom período para incrementar a vida afetiva e o networking.

Compartilhe:

Os mascarados

14/07/2017 11:22 / Por FundaMental

Você conhece alguém que parece estar sempre usando uma máscara, de tão artificial que se apresenta? A verdade é que todos nós a utilizamos, cada qual de forma mais ou menos caricata para nos adaptarmos, já que aprendemos, desde muito cedo, o que funciona ou não para sermos aceitos pelo mundo externo.

A criança sabe, pela reação do adulto o que é mais ou menos adequado. Recebe estímulos para continuar, por exemplo, a mandar beijinhos e repreensão quando mete o dedo no nariz. Ligeirinho aprendemos a usar gestos, palavras, tons de voz que nos mostram que somos aceitos, avaliando o que funciona e o que não funciona para atingir nossos objetivos, ainda que inconscientes. Com o tempo, passamos a usar máscaras que garantem nossa inclusão ao meio com o qual pretendemos interagir de forma a sermos mais ou menos aceitos. Assim como precisamos vestir maiô para ir à praia e terno para ir ao casamento, “vestimos” determinados comportamentos que funcionam e , somados, vão determinando uma personalidade.

Aliás o termo personalidade se originou na antiga Grécia, quando os atores teatrais usavam máscaras chamadas persona. Tais recursos serviam para caracterizar um papel determinado e ostentavam dois orifícios para os olhos e um para a boca, este último tinha como função, permitir a saída de som. Aí o nome per sonar (por onde passa o som) que finalmente originou o termo personalidade.

De tanto usarmos uma determinada máscara social, torna-se tarefa árdua abandonar um papel, mesmo que já inadequado, pelo simples fato de que tendemos a nos identificar com ele, o que é endossado pelo meio. Quem não conhece algum eterno adolescente, o empresário que não desgruda de seu estereótipo, a velha sedutora? O fato é que só crescemos e amadurecemos quando aprendemos a abandonar papeis muito estreitos que procuram nos definir.

Precisamos usar máscaras? Com certeza elas nos são úteis, desde que tenhamos a liberdade de expressar o brilho de nossa identidade. As pessoas mais íntegras, interessantes, democráticas, abertas e livres são aquelas que usam e são receptivas à diferentes papéis, sem abandonar sua essência. Sabem que, em essência, são muito mais do que uma personalidade.

 

* Suzana Regina Kunz é publicitária

Compartilhe:
Páginas  1 2 3 4 >