- Gente -

CALMA E SERENIDADE: PEQUENAS AÇÕES PODEM EVITAR O ESTRESSE NO ISOLAMENTO

16.04.2020 por Marcelo Kenne Vicente

Ter que ficar em casa, além de afetar as rotinas diárias, pode trazer males psicológicos se não soubermos trabalhar essas mudanças em nossas mentes.

Foto: Adobe Stock “O isolamento vai contra nossa natureza gregária. Necessitamos viver em grupo, realizando interações sociais. Por isso, o estresse proveniente do confinamento produz respostas emocionais e fisiológicas negativas”, destaca Marcia Werkmeister, psicóloga com especialização em Psicologia Cognitivo-Comportamental e que atende em consultório presencial e on-line (psicoterapia a distância). De acordo com ela, a calma e a serenidade são fundamentais nesse período e, para ajudar nesse ponto, é importante estabelecer uma rotina diária, distribuindo tarefas com horários predeterminados. Isso evita que a pessoa destine bastante tempo ao trabalho e pouco ao lazer, ou fique com a percepção de que não fez nada durante o dia.
“Este é um grande momento de aprendizado para todos nós. Com certeza, sairemos dessa experiência com uma nova perspectiva das nossas relações e da importância da vida”, completa Marcia.

A PSICÓLOGA SUGERE ALGUMAS AÇÕES PARA EVITAR O ESTRESSE

1 - Inclua em sua agenda atividades como ler, conversar com amigos, assistir a filmes, fazer meditação, etc.

2 - Aprenda algo novo! Um curso pela Internet sobre um tema que sempre teve desejo e nunca realizou manterá você com uma sensação de bem-estar e satisfação consigo mesmo.

3 - Não exagere no consumo de notícias. Com maior tempo dedicado à Internet, temos um excesso de informações, falsas e verdadeiras (desconfie de fake news), gerando ansiedade e preocupação excessivas.

4 - Evite o ócio, o não fazer nada. Esse estado levará ao desânimo.

5 - Exercite-se.

6 - Fale com os amigos e familiares por telefone ou por videochamadas. Isso diminuirá o desconforto do isolamento.

ATENÇÃO ÀS CRIANÇAS!

Foto: Adobe Stock Os pequenos também sofrem com o fato de não poderem sair de casa, porque deixam de ir à escola e de brincar com os amigos. Para a psicóloga, precisamos explicar o problema, mas antes disso é necessário ouvi-las, entender seus sentimentos e o que elas já sabem sobre o momento. “Sempre cuidando para não provocar nelas uma preocupação e um medo exagerados”, comenta.

ATITUDES QUE PODEM FAZER A DIFERENÇA COM AS CRIANÇAS

• Esteja atento a possíveis sinais de estresse no seu filho, como urinar na cama, ter tiques, dores de cabeça e de barriga, gagueira, falta de apetite, pesadelos, medo de tudo e irritabilidade.

• Separe um tempo do seu home office para brincar com a criança. Aproveite que a convivência é maior.

• Defina uma agenda clara de tarefas, intercalando estudos com atividades lúdicas.

• Cuide para não introduzir novos medos, devido à pandemia.

• Incentive sempre os cuidados com a higiene.

Publicidade
Publicidade
Publicidade