- Decoração -

A ARQUITETURA DE ANA COLNAGHI

03.11.2020 por Bruna Kirsch

Pode ter sido por vocação ou por força do destino, mas o que é fato é que Ana Maria Colnaghi Enzweiler, 30 anos, escolheu a profissão certa. A arquiteta, nascida em São Leopoldo mas que mora em Novo Hamburgo, conta que a arquitetura sempre esteve presente em sua vida. Foto: Divulgação

“Eu tenho uma família com muitos arquitetos e sempre estive rodeada por referências deste mundo encantador”, aponta.
Ana revela que antes de ingressar na faculdade oscilava sua opinião entre cursos do meio criativo. “E foi ao me aproximar do ano de formação no Ensino Médio, quando passei um ano em intercâmbio nos Estados Unidos, que fui me aprofundando no tema e tive a certeza que este seria o rumo certo a seguir”, diz.
Em 2008, Ana entrou na faculdade de Arquitetura e se formou em 2013. “Naquele momento já tinha passado por diversos estágios. No final da faculdade trabalhei na construtora do meu pai, mas já estava com trabalhos próprios fora do ramo da construtora”, conta. Então, ao se formar, criou o seu próprio negócio. “Foi com a vinda da minha primeira estagiária, hoje sócia, Sabrina Hennemann, que realmente solidificamos o Studio Colnaghi”, diz.

AMADURECIMENTO X EMOÇÕES
Segundo a arquiteta, muita coisa mudou desde o início de sua trajetória profissional. “Acredito que o amadurecimento vem a cada novo desafio, novas convivências. Acho que, como tudo na vida, você aprende com muita empatia e compreendendo que estamos em constante evolução”, afirma Ana.
Além disso, a profissional se orgulha ao falar da sua equipe: “Fico feliz por ter em nosso time pessoas em que posso contar para crescermos juntas, assim como clientes que confiam em nós e nos fazem evoluir da mesma forma”. O que Ana e a arquitetura tem em comum é a essência transformadora e a miscigenação. “Fico feliz em não ser minha versão final nunca, sempre temos margem para evoluir e transformar”, enfatiza a arquiteta.
E o que a emociona na profissão é o seu poder em proporcionar bem-estar para as pessoas. “Nossos lares, residências, escritórios, ou qualquer espaço que habitamos, têm um papel tão transformador, que me motivam sempre a buscar maneiras de beneficiar cada cliente que nos convida a fazer parte dessa construção”, diz.

Foto: Divulgação

ESTILO DE VIDA X INSPIRAÇÕES
Como uma típica arquiteta, Ana procura mesclar a arquitetura em tudo na sua vida. “Vejo que a área está completamente relacionada às minhas preferências e estilo de vida. Minha família acaba abraçando a causa e também vive e transpira referências e assuntos relacionados. Nossas viagens sempre se conectam com esta busca e é algo que compartilhamos com naturalidade”, conta. Além disso, a arquiteta diz estar em constante atualização. “Gosto muito de ler, pesquisar e me atualizar. Mais do que isso, como nossa arquitetura busca o sentir-se bem, nada como vivenciá-la, e temos muitos bons exemplos no nosso dia a dia”, diz.
Ana enfatiza que viagens são um dos mais fantásticos instrumentos de buscas e atualizações, ao lado, é claro, dos cursos. “As idas para o iSalone del Mobile, em Milão, são sempre experiências muito enriquecedoras, em especial no ano passado, quando fiz um curso no Istituto Marangoni. E as viagens pela Europa, de modo geral, são ricas em história. Acredito que o design europeu possui muita conexão com nossa arquitetura”, explica. Ana revela ainda que, como gosta de explorar materiais naturais e trabalhos artesanais, as viagens à Tailândia, Indonésia e África do Sul também foram muito ricas neste aspecto. “Existe algo muito humano e conectado às raízes que trazem um repertório rico”, observa.

ARQUITETURA NA ATUALIDADE
A arquiteta afirma que, em tempos de distanciamento social e valorização dos lares, mais do que nunca as pessoas estão vendo a importância do profissional em planejar espaços de qualidade, para que todos possam viver, trabalhar e se relacionar com qualidade. “Já tínhamos clara a importância do arquiteto em dimensões macro, no planejamento de cidades, projetando edifícios e cidades mais responsáveis, estas que são as funções sociais do profi ssional. Agora, voltando à escala reduzida, vemos como nossos próprios espaços unitários também têm esta importância, na medida que tivemos que nos adaptar e utilizar nossos recursos para em um mesmo espaço conseguir trabalhar com qualidade, exercitar-se para manter nossa saúde pessoal e ainda desfrutar de atividades de lazer – tudo dentro dos nossos lares”, observa Ana.
Ela completa que o mundo que gostaria de deixar aos seus herdeiros, arquitetonicamente falando, deveria promover a valorização do espaço urbano, uma arquitetura consciente, ética e de qualidade. “Um mundo com mais empatia, do olhar ao outro e a natureza que tanto nos entrega.”

OBRAS QUE EMOCIONAM

MORADA ACONCHEGANTE COM ELEMENTOS NATURAIS
Foto: Divulgação Uma das obras que Ana Colnaghi mais se emociona ao lembrar é o Apto RN. “Ele foi pensado para um casal jovem que adora tomar chimarrão, cozinhar, tomar vinho e curtir o lar, se jogar no sofá para assistir a filmes e a séries e que adora receber amigos e familiares”, conta. Assim, desejavam uma morada aconchegante com elementos naturais, atenção aos detalhes, resultando em uma composição leve e atemporal. “Tornamos o ambiente aconchegante no mix de materiais e tons quentes.
Neste projeto estão em destaque: a madeira natural frejó e o carvalho branco, o mármore branco Paraná e a pedra natural no volume da lareira”, menciona.
O estar com pé direito duplo foi marcado por uma base/bloco construída e revestida em pedra natural, criando um clima mais rústico em contraste com a leveza que segue acima com a estrutura metálica e as prateleiras iluminadas por trás. “O volume em madeira natural compõe o ambiente aconchegante”, cita. O piso vinílico, adquirido na Dimosaico, veste todo o social e íntimo (com exceção dos banheiros) e traz o aconchego à composição: “Assim, mesclamos com a pedra natural no volume da lareira e também o mármore branco Paraná em contraste e equilíbrio. É um projeto repleto de detalhes em uma composição clássica, mas cheia de personalidade”. Foto: Divulgação

 

TONS LEVES E AMBIENTE SOCIAL CONECTADO
Foto: Divulgação A profissional também se orgulha do trabalho feito no Apto JJ. Ele foi pensado para um casal com um fi lho pequeno, que adora curtir a tranquilidade do lar em família. “Logo pensamos em um layout do estar que possibilitasse um ‘sofazão’ para o conforto dos moradores”, conta Ana. Segundo a arquiteta, a madeira natural toma conta desta composição aconchegante que equilibra com o cinza. “Toda a composição segue uma paleta de tons leves evidenciando sempre os da madeira e da pedra travertino grey, que reveste a lareira”, dispõe Ana. Além disso, o layout do projeto foi pensado para conectar todo o uso do social: “Por isso, o estar se abre para se conectar ao jantar, que compomos em forma de ilha com valorização do fundo com uma cristaleira/adega. Este painel e a cristaleira trazem a delicada sofi sticação que é a cara da cliente”. O jantar conta com um layout que possibilita um espaço mais intimista, com as banquetas altas para refeições do casal. No banheiro do casal, a escolha foi por uma composição leve com estrutura metálica para abraçar a parte da banheira com iluminação indireta para momentos relaxantes. Neste ambiente, a paleta é composta por metal + madeira natural + mármore branco Paraná. O porcelanato das áreas da cozinha + serviço e também do piso e paredes da suíte máster e de mais duas suítes, são da Dimosaico, todos da marca Portinari. Foto: Divulgação

 

DUPLEX PARA RECEBER BEM
Foto: Divulgação O Apto JM também foi citado como um dos que mais emocionaram a arquiteta Ana. Segundo ela, a jovem cliente, com a premissa que recebe muito em casa, desejava um espaço acolhedor. “Desde a concepção do layout foi proposta uma grande integração entre os usos no pavimento térreo, possibilitando a total interação de seus usuários. Tirando partido do pilar que se localiza no meio dos ambientes, criamos um espaço de transição que também serve como ‘boas-vindas’ do apartamento, um hall interno”, aponta a profissional.
No acesso, foi proposto um volume em madeira loro frejó que abriga a porta de entrada, porta do lavabo, acesso ao segundo pavimento e também ao home bar. Nesse, foi trabalhado com a materialidade do mármore carrara, prateleiras em inox escovado e um volume multifacetado para a bancada de preparo. “Trabalhamos com painéis de vidro canelato para a divisão da cozinha com o espaço gourmet, possibilitando a escolha de integração entre os ambientes”, diz.
O segundo pavimento do duplex abriga a área íntima, estar e três suítes, sendo uma máster. A arquiteta menciona ainda que, reconhecendo a importância dos elementos naturais e da sua interação com a arquitetura, explorou também as texturas em combinações com a luz/sombra, evidenciando a dinâmica dos espaços. Foto: Divulgação

 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade